Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2007

CONDICIONAL

Agora em Salvador. Ainda sem net livre pra escrever em blog. Vai música de Los Hermanos, complexa e bonita. Minha. E ainda rindo de quando ele disse que eu o consquiste quando mostrei a verruga no meu dedo mindinho.

CONDICIONAL
(Los Hermanos)

Quis nunca te perder
Tanto que demais
Via em tudo céu
Fiz de tudo cais
Dei-te pra ancorar
Doces deletérios
E quis ter os pés no chão
Tanto eu abri mão
Que hoje eu entendi
Sonho não se dá
É botão de flor
O sabor de fel é de cortar

Eu sei, é um doce te amar
O amargo é querer-te pra mim

Do que eu preciso é lembrar, me ver
Antes de te ter e de ser teu muito bem

Quis nunca te ganhar
Tanto que forjei
Asas nos teus pés
Ondas pra levar
Deixo desvendar
Todos os mistérios

Sei, tanto te soltei
Que você me quis
Em todo o lugar
Li em cada olhar
Quanta intenção
Eu vivia preso

Eu sei, é um doce te amar
O amargo é querer-te pra mim
Do que eu preciso é lembrar, me ver
Antes de te ter e de ser teu…

Você me deixa imensamente feliz

Imagem
"Fiz uma lista sem fim De como sem perceber Você me deixa Imensamente feliz".
(Lado Z - Leoni)

É comovente a forma como ele me olha enquanto choro. É engraçado a forma como ele tenta me consolar. É viciante como ele sacia a minha carência. Mas o que adianta eu gostar novamente de alguém, se a pessoa sempre se distancia da minha vida? Realidades distintas. Cada vez caminhando mais longe uma da outra.
Por um momento pareceu que nada mais existia além das ruas de paralelepípedo vazias e do frio que tornava o calor dos corpos unidos mais aconchegante. Por um momento tudo pareceu mais alegre, mesmo sentindo gosto de lágrima, e eterno, mesmo com a certeza do fim.
Mesmo sem querer, mesmo com todo ceticismo, me deixei levar pela ilusão. Talvez tenha sido pelo bosque no fundo de casa ou pelas estrelas vistas do corredor ao lado. Talvez pela chuva fina que caía naquela noite colorida. Talvez por culpa minha. Se não tivesse evitado o chulo, o profano, o mundano, o real, não teria caído no …
....

E olha eu de novo tentando fugir da tristeza. Difícil não se sentir ninguém. Devolver, trancar, entregar, fechar, mudar - tudo isso me assusta. O coração de novo do tamanho de uma uva passa. Perdida. Gente, muita gente caminha pra lá e pra cá, e eu nem sei pra onde ir. Medo. Medo de não conseguir, de não saber tentar. Fracassar. Decepcionar. Pra quê tanta luta? Será que vale a pena tanto sacrifício? Parece que quanto mais eu luto, só me canso e nada produzo. O mundo gira e eu fico tonta, não saio do lugar. E quando é que vou ter um canto pra chamar de meu? Quando vou poder fazer planos para as férias do ano que vem? Quando é que eu vou ter um amor pra quem eu não precise dizer adeus?
"Nem uma verdade me machuca, nem um motivo me corrói,
até se eu ficar só na vontade já não dói"...

(Déjà Vu - Pitty) Todo dia acordo e penso: Meu Deus, o que vai ser de mim?

Minha cama é um estrado de madeira, meu pescoço dói e eu não consigo dormir de bruços. Eu só durmo de bruços. Mesmo assim já discutem quem vai ficar com a minha cama quando meu quarto esvaziar, já repartem o espólio antes da guerra terminar, já enterram o defunto antes dele esfriar.

Sempre achei que se eu entrasse no Big Brother seria a primeira a ser eliminada. Seria alvo de polêmicas, beijaria na boca, seria excluída de um grupo formado pela maioria, ou ficaria até a antepenúltima semana sem nunca dormir no quarto do líder. Sairia sem ganhar absolutamente nada. Talvez ficasse com aquela mala com um olho grande. Será que a produção pede as malas de volta?

E se eu pudesse, hoje eu sumiria daqui. Só queria silêncio e escrever no meu blog. Queria lavar meus cabelos com água morna. Pelo m…