Carta de amor recebida a algum tempo atrás.

Todas cartas de amor são ridículas, mas essa é no mínimo, criativa. Encontrei por acaso na minha caixa de e-mail e achei que tinha que deixar aqui registrado.
Carta de amor recebida a algum tempo atrás.

"hum... Será que eu devo pedir, para a fábrica de sabonete, permitir que eu beije cada sabonete, para que o meu beijo chegue ate voce, na hora em que voce tomar uma ducha... no calor que faz... nessa cidade linda?...
Ohhhh... Mas assim os meus beijos podem atingir outras pessoas!!! E isso nao pode acontecer, pois os meus beijos sao só seus...

Eu abri, no meio da floresta, um buraco numa rocha. Foi dificil. Foi muito dificil. Quando eu terminei, eu cavei a terra. Toneladas de terra eu tirei de lá de dentro. Atingi novamente uma camada de rochas. Estava escuro. Eu só podia tentar quebra-las quando o sol estava alto. À noite, enquanto eu descansava, eu falava com os bichos da floresta. As corujas e os grilos sao muito amigaveis. Questionavam o motivo de eu estar fazendo aquilo. Mas eu nada respondia. Alguns me ajudaram a levar as pedras e terra, para longe. E as aproveitaram. As formigas gostaram de ter suas casas em morrinhos novos e revoltos. Os castores aproveitaram as pedras, para reforçar suas represas. Cavei e quebrei rochas, ate chegar num vao subterraneo. Senti algo borbulhar. Subi ate a superficie, e cortei um bambu. Peguei um pedaço de pele de onça, e amarrei no bambu. Depois eu peguei uma lasca do bambu, de uns 70 centimetros, e o usei tudo como um arco e flecha.

Acertei no fundo do buraco que eu abri. Foi o suficiente para um jato de agua subir com toda a força. Seu diametro de 3 metros, foi tomado por uma coluna de agua limpida que subia uns 200 metros. Eu nao perdi tempo. Abri uma valeta, na direçao de Sergipe, e na direçao da Bahia. A agua notou o meu intuito, e me seguiu, formando um rio volumoso, e rapido. Às suas margens, cresceram lindas flores, lindas plantas, e arvores de todo tipo de especie. as macieiras, em especial, mostravam suas maças grandes como melancias, vermelhas e doces, como mel... as abelhas vieram velozes, e construiram suas colmeias na beira do rio. Eu pedi para elas abrirem uma portinha na parte de baixo da colmeia. Assim, o que fosse feito a mais de mel, cairia no rio. e seguiria junto com a agua, que ja ia num ritmo apressado. Eu ficava 24 horas ali, abrindo a valeta que se estendia por centenas de quilometros. E os castores, formigas, e abelhas, resolveram me ajudar nisso tambem. Com suas maozinhas pequeninas, eles retiravam quilos e quilos e ate toneladas de terra. Os elefantes tambem vieram me ajudar, replantando arvores em outros lugares, para nao atrapalhar o fluxo da agua. As girafas tiravam os matinhos mais altos, que poderiam cair no rio, e dificultar a passagem da agua. uma delas, eu reconheci. ela era a girafa que tinha comido as fotos minhas, que eu deixei perto da janela do meu apartamento.

Finalmente, a valeta que eu abri, chegou em aracaju. A outra valeta, chegou em paulo afonso. Com cuidado e em silencio, eu fiz uma canalizaçao ate às suas duas casas. Corri de volta ate o buraco que eu fiz, e lá, na nascente desse novo rio, eu coloquei um beijo meu em cima de uma folha (folha de arvore). E eu disse: este vai para a casa da minha Kinha, em paulo afonso. E coloquei outra folha, com outro beijo meu, no rio, dizendo: este vai para aracaju. Mas depois de alguns minutos, um hipopotamo me disse, quase sem folego: "olha, a folha chegou em aracaju, mas ela nao consegue chegar no apartamento da Kinha. é lá no ultimo andar...". Entao eu contratei 300 beija-flores. E expliquei o que eles deveriam fazer. Eles deveriam ir ate o seu condominio, perto do seu predio, e ficar um embaixo do outro, e ir passando a folha que eu mandei, de bico em bico. E quando chegasse lá em cima, no ultimo beija flor, ele deveria deixar a folha no parapeito da sua janela. Eu disse para uma abelhinha, no ouvido dela, que colocasse um pouquinho de mel, junto com o meu beijo. e, se possivel, um pote de suco de laranja. E gagau tambem. E cuscuz com leite. Daí, a abelhinha me disse que a vaquinha estava viajando. perguntou se poderia usar leite em pó. e eu disse que sim.

Deu certo? Hoje voce olhou a sua janela? Viu quantas folhas estao aí?

mas eu quero ficar perto de voce, minha amada.
a sua voz, pelo telefone, me faz muuuuuuuuuito bem...
e me corta o coraçao, quando voce está dengosa, e eu nao posso te
beijar.

eu te amo muito".


É... meus namorados sempre foram surreais...
Pode rir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu sou do Trecho

MINHA ROSA É ÚNICA NO MUNDO

Como curar panela de pedra sabão - a saga