A revolta continua!

Não me faça te pegar nojo

A revolta continua!

Esse é de 1995. Já estava aqui em Aju. Morava com meus tios e primos, marido da prima, filhinha da prima, uma multidão num apartamento de 3 quartos. Desde criança eu e minha prima fomos amigas, sempre unidas... até que um dia, do nada, percebi que ela estava diferente comigo. Não olhava pra mim, não falava comigo, não me dirigia a palavra. Vivia cochichando por trás das portas e escondido com a mãe, quando eu me aproximava mudava de assunto repentinamente. E assim foi por algumas semanas, até que eu flagrei elas falando mal de mim no supermercado.
Decidi interrogar e só obtive como resposta: "Depois a gente conversa" - é sempre assim, quem não tem coragem de dizer, sempre vem com essa frase, mas não desisti, até que ela sob tortura me explicou o por quê do desprezo. Veja só que babado!
Eu sabia de um segredo de outra prima que acabou vindo à tona. Quando a mãe soube que eu sabia, me humilhou no ponto de ônibus onde me encontrou, achando que eu tinha comentado pra outras pessoas, que agora todo mundo zombaria da filha dela e coisa e tal. Na verdade eu nem tinha contado pra ninguém. Depois dessa humilhação, ela nada satisfeita, resolveu inventar uma mentira maior que pudesse me desmoralizar por completo. Uma mentira tão feia que envolvia a prima com quem eu morava que nem tenho coragem de contar. Uma mentira absurda e sem lógica, que eu nem sei como alguém podia acreditar nisso.
Resultado: eu, de vilã na história, mesmo inocente, sendo desprezada sem saber por quê. Tem revolta maior????
Claro que depois tudo se resolveu, mas só porque eu fui atrás.
Mas é sempre assim. Sempre sobra pra mim. Acho que tenho a maior cara de culpada. Até no atentado ao World Trade Center me atribuíram alguma culpa mesmo que fosse indiretamente.
Eu mereço!

Falei e Disse

Ver capítulo anterior

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu sou do Trecho

MINHA ROSA É ÚNICA NO MUNDO

Como curar panela de pedra sabão - a saga